terça-feira, 12 de outubro de 2010

A vida é melhor para os brasileiros do que era há oito anos (The Economist - 30/09)



The handover

"Life is better for Brazilians than it was eight years ago..." *


Está nas bancas (ou na internet), a revista The Economist, com vasta matéria sobre Lula e a sucessão. Segue mediana tradução de parte da matéria. Os gringos, que de bobos não tem nada, sabem quando a política econômica é boa...
A revista, isentamente, fala que Lula pegou o carro andando, de FHC, porém, o carro estava a 20 Km/H, quando na direção, Lula acelerou e chegou aos 100 Km, com todas as coisas boas que o crescimento e desenvolvimento trazem (e eu não me canso de "postar").
A revista mostra o quão longe o país chegou, nas hábeis mãos de Lula, mas sem esconder defeitos (deficit orçamentário, juros altos, problemas na educação, etc.).
Em suma, de forma independente, aponta defeitos, mas mostra que estamos no caminho certo.

"...O Brasil e sua posição no mundo foram transformados durante a presidência de Lula, sobretudo para melhor (ver artigo). A pobreza tem caído e o crescimento econômico se acelerou. O Brasil está desfrutando de um círculo virtuoso: a alta demanda da Ásia para as exportações de suas fazendas e minas é equilibrado por um mercado em expansão nacional, como, em parte graças a uma melhor política social, alguns consumidores (...) saíram da pobreza. Não admira que as empresas estrangeiras estão se acumulando dentro, enquanto um crescente grupo de multinacionais brasileiras está em expansão no exterior.

Graças ao seu encanto (...) Lula tem sido um vendedor extraordinário para promover esta transformação. Ele encarna a mais justa e mais inclusiva democracia, que ele ajudou a criar..."

*
A vida é melhor para os brasileiros do que era há oito anos...

http://www.economist.com/node/17147828?story_id=17147828

http://www.economist.com/node/17147658?story_id=17147658

http://www.economist.com/node/17173762?story_id=17173762

2 comentários:

Rolando disse...

Olá. Dilma não é Lula e nem tem o carisma dele. E no mais ela foi imposta. Agora voto nulo.

Renato Couto disse...

Rolando, no post seguinte, acredito, explique porque VOTO em Dilma e não me omito...