sexta-feira, 26 de julho de 2013

Vivendo de Dividendos




Sempre me perguntam se dá para viver de renda no mercado de ações, sem correr muito risco. Obviamente pedem uma resposta não muito fácil, mas “grosso modo”, o meio com menor chance de complicações, seria apostar nas blues e que pagam bons dividendos.

Para calcular a melhor relação preço x dividendos, basta um exercício de simples: pegar o preço da ação e dividir pelo valor dos dividendos pagos. Claro que para a conta ser exata, teria que ser uma média ponderada pelo preço em cada pagamento, mas como o preço normalmente é majorado por conta da especulação pré-anúncio de pagamento, vamos a uma conta de padaria. Por exemplo: Light (LIG3), que considero com um dos melhores custos x benefícios x risco, para ser trabalhada.

Hoje, a empresa está sendo negociada por 17,42 a ação e pagou em 2012, um total de 2,14 de dividendos por ação. Então para cada 1,00, a empresa pagou 0,1228 de dividendos, ou seja, no ano de 2012, quem tinha Light na carteira, ganhou 12,28% (em dividendos - olhando somente o valor de hoje). Nada mal, comparando com outros benchmarks, bem inferiores: poupança e taxa CDB DI por exemplo.

Ou seja, “dá para viver” de dividendos, principalmente se você diversificar sua carteira, conforme proposto abaixo, onde aponto os “melhores pagamentos”, com empresas financeiras, siderúrgicas, tabaco, energia e bebidas.
Nome
código
Souza Cruz
CRUZ3
Ambev
AMBV4
Light
LIGT3
Vale
VALE3
Usiminas
USIM3
Itausa
ITSA3
Banco do Brasil
BBAS3

Mas calma, olhe o outro lado: A Light nos últimos 12 meses, caiu de 25,37 para 17,42, ou seja, uma perda de 31% sobre seu capital. Muito ruim, não é? Porém, este papel estava cotado por 9,83 em fev/2006, ou seja, precificado antes da crise de 2008. Uma valorização até nossos dias de 77,21%, o que daria 8,51% ao ano em média. Taxa anual, também superior as nossas taxas de renda fixa (lembre que todo ano você estaria ganhando a mais seus 12% de dividendos), mas levando em conta o horror que foi 2008 e a difícil recuperação ainda sendo travada, a Bolsa pode ser bom negócio às vezes para os trades, mas sempre será para o investidor de longo prazo. Veja que no nosso (bom) exemplo, você ganhou 12% ao ano em dividendos e ainda preservou seu capital a taxa média de 8,5%, num período de 7 anos.

Cotações:

Um comentário:

Luiz Frank disse...

Muito me ajudou. Obrigado! Luiz antonio ost frank