sexta-feira, 20 de junho de 2008

Economia sem Apologia

Em seu livro "A História do Pensamento Econômico", Robert Heilbroner, classifica o livro de Engel " The Condition of the Working Class in England in 1844 ", como o mais terrível líbelo contra as favelas do mundo indústrial, neste período, Engels andou por toda Manchester (berço da revolução industrial), vendo em que condições se encontrava a recente massa de trabalhadores. Certa vez, comentando sobre a miséria da cidade e as "bases" em que ela havia sido contruída, com um cavalheiro, seu amigo, ouviu como resposta:"E no entanto, ganha-se uma fábula de dinheiro aqui; tenha um bom dia, sir".

É necessário analisar a economia, não como apologia da ordem existente, mas com uma visão equilibrada, realçando o positivo e combatendo o negativo de cada "tratado" econômico, buscando corrigir as distorções do sistema, seja ele qual for. Devemos buscar:
Determinado grau de intervenção governamental sem um corpo de burocratas;
A vitalidade (competitiva) do capitalismo, sem uma classe de poderosos capitalistas;
Uma bolsa de valores, sem um cassino...

Cada um deste ítens, deve ser esmiuçado, mas não são assuntos para uma só postagem de blog...

Vejam aí neste link, como estão os funcionário da fábrica de sapatos CatWalk

"Os funcionários da empresa, trabalham praticamente por comida, eles vivem dentro das fábricas, cozinham a comida lá mesmo durante o trabalho, tem as roupas penduradas lá também e a noite puxam uns colchões nos corredores e dormem ali mesmo para no outro dia acordarem e já começam a produção novamente, trabalham em torno de 16 a 17 horas por dia.E esta é a vida deles, praticamente um trabalho escravo..."

2 comentários:

Poesia! disse...

Prezado amigo,

existem homens que nao escrevem, homens que dominam o poder da escrita, e homens que escrevem poesia, mas TODOS vivem poesia!
obrigado pelo comentario!
podes ajudar o fogo anda comigo, seja com a divulgação do projeto, nos linkando em seu blog, fazendo um materia sobre a iniciativa...sei lá!
Neste Sarau Amplificado, proclame poesia!
nos envie poemas seus, que gostes, ou ate do vizinho que reclama por nao ter espaço de divulgação (mas sempre com autoria, viu?)!
queremos divulga-las!

mas se queres mesmo me ajudar, ao ponto de comover, VIVA POESIA!!!
abraço
silas

Pirata Z disse...

o que mais me impressiona - aliás, incomoda, que nada mais me impressiona ultimamente - é que, qual acontece na China, o explorador (ou, vá saber, capitão do mato a serviço de algum $inhozinho que não quer aparecer) é conterrâneo do escravo. irmão explorando irmão...
sempre digo e repito: espero viver o suficiente pra ver essa corja tendo de comer dinheiro, pra sobreviver...
parabéns pelo trabalho, baita abraço meu,
Pirata