domingo, 3 de agosto de 2008

Kenjutsu - Depois da Chuva

No primeiro dia de Kenjutsu, foi cumprido o esperado, novamente a relação sempai/kohai (professor/aluno), ficar em seiza (posição de joelhos, com os pés para trás), ser o último da fila e repetir exaustivamente os primeiros movimentos.
Aprendi a "andar" e bater "men" e "kote", bater na cabeça e cortar os punhos do adversário, respectivamente. Conheci nova dor, onde no Kenjutsu, a posição (kamae) inicial é chudan, ou seja, com a perna direita à frente, forçando assim o tornozelo esquerdo, onde fica a base e respectivo peso do corpo. Dor nova, porque sempre optei por lutar com a perna esquerda à frete, na posição clássica do boxe inglês e passar duas horas com o inverso desta posição apresentou-me esta nova dor. Foi muito bom reencontrar velhas dores (joelho direito) e conhecer novas...
Ao final deste primeiro treino, caiu poderosa chuva sobre o Rio de Janeiro, lavando a cidade e minha alma, fazendo-me chegar encharcado em casa.
Anos depois ao ver o filme "After Rain", onde um samurai fica preso em um vilarejo, por causa de uma forte chuva (último enredo do Kurosawa), na época das monções, lembrei do jovem samurai, assim como o do filme, retido no vilarejo, o carioca inexoravelmente preso a sua espada por toda a vida.

3 comentários:

VANUZA PANTALEÃO/OBRA LITERÁRIA disse...

De arrepiar a vida desse músico dos Blues americanos. Uma vida breve, mas marcante. Bem lembrado!

Renato Couto disse...

Um tempo atrás, vi uma reportagem com o Eric Claptom (re)tocando as músicas do Robert Johnson e confirmando como o "cara" era bom, com harmonias sofisticadas e de difícil execução. Talvez fosse a pegada do demo, mesmo...heheh

loba disse...

É claro que vi este filme!
Então o moço é carioca! Putz... mais uma peça do quebra cabeça! rs...
beijo